É OFICIAL: MICROSOFT COMPRA O ESTÚDIO DE MINECRAFT POR 2,5 BILHÕES DE DÓLARES

Os rumores estavam corretos, com a Mojang anunciando a aquisição feita pela Microsoft pela estrondosa quantia de US$2.5 bilhões. Confira abaixo as principais informações sobre a compra e qual será o futuro da Mojang, Minecraft e de seus ilustres criadores.

Ficamos sabendo da possibilidade da Microsoft adquirir a criadora de Minecraft por aproximadamente US$ 2 bilhões. O rumor, que começou com uma reportagem do Wall Street Journal, explicava que os acordos já estavam sendo feitos e que a compra seria anunciada no começo da semana.

Dito e feito: eis que nesta segunda-feira, dia 15 de setembro de 2014, a Mojang confirmou a compra em seu blog, deixando um pequeno FAQ com respostas para as perguntas que todos estão se fazendo para entender o que isto significa, e como isso afetará a empresa, seus consumidores e os criadores da Mojang (que além de Minecraft tem/tinha outros projetos sendo desenvolvidos no momento, como o gameScrolls).

A primeira pergunta e sua resposta já revela muito sobre o atual estado do estúdio e seus criadores, explicando o por quê desta venda e mostrando como Notch não tinha intenção alguma de fazerMinecraft um jogo tão popular assim; Com a compra, Notch poderá fazer exatamente o que queria, desenvolver jogos pequenos e projetos em Game Jams onde se foca mais na criatividade de criar uma ideia interessante do que um hit que trará toneladas de dinheiro.

O FAQ continuou ressaltando que as outras versões de Minecraft não terão mudanças nem perderão o suporte que estavam recebendo, pelo menos à princípio (a Microsoft lembrou que “não pode falar por outras empresas”). O restante da comunidade de Minecraft também pode se acalmar já que nada realmente irá mudar com o jogo (em tese). Os populares vídeos, mods e demais projetos da engajada comunidade do jogo poderão continuar.

A última bomba é relacionada aos seus criadores. Além de Notch anunciar sua partida (sim, o criador deMinecraft vai deixar a Mojang), os outros dois fundadores, Carl e Jakob, também irão sair da empresa. Até hoje, Minecraft já vendeu mais de 16 milhões de unidades só para PC e Mac, e também tem números estratosféricos em todas as demais plataformas.

Mercado de games brasileiro: entenda o porque os games são tão caros em nosso país.

MOney1-550x275Fala Galera, tudo bem com vocês ? Legal.

Então, hoje eu trago para vocês uma matéria muito interessante, nesta matéria eu vou mostrar para vocês o por que nossos produtos, principalmente os games, são muito caros no em nosso país. Não é novidade para ninguém que os jogos em nosso país custam um absurdo. Porém, nos últimos meses, até mesmo a importação se tornou problemática, por conta de algumas “desentendimentos” que deixam clara a falta de conhecimento do nosso governo em relação ao mercado de games. Saiba mais sobre esta história na sequência.

Contextualizando: não é de hoje que as produtoras e principalmente as distribuidoras tentam convencer o governo e a Receita Federal de que os games deveriam ser classificados como softwares.

Porém, para o nosso governo, os games ainda são taxados como brinquedos, ou seja, não podem se enquadrar nos benefícios da Lei da Informática, ou em qualquer outro programa de incentivo fiscal que vise abater alguns impostos.

Se para quem importa jogos a coisa já está feia, o bicho pegou mesmo para os lojistas e distribuidores: a indecisão entre o que é brinquedo e o que é software atrasou (ainda mais) as rotinas alfandegárias do nosso país – especialmente em São Paulo e no Paraná -, o que segurou as entregas de muita gente e chegou ao ponto de deixar distribuidores sem jogos para vender!

Do início de março para cá, a Receita Federal anda fazendo um “pente fino” nas encomendas estrangeiras, na esperança de tarifar de maneira justa as encomendas e evitar o chamado “mercado cinza” (no qual distribuidores sonegam impostos trazendo produtos originais estrangeiros de maneiras ilícitas para revenda).

Porém, a tarifação imposta pela Receita é tudo, menos justa: o G1 apurou os tipos de impostos que um jogo de videogame encontra ao chegar ao nosso país. O resultado desta soma assustadora é um aumento de mais de 160% no valor inicial, o que deixa claro que, no final das contas, os impostos saem mais caros que o jogo em si.

Confira a tabela abaixo, retirada diretamente da reportagem do G1:

pcjxj5Z1

Nesta conta, temos um absurdo aumento de 164% no valor original. Se os games fossem classificados como software, como pedem as distribuidoras, teríamos uma redução significativa nesta conta: os mesmos impostos (Pis, Cofins, IPI, imposto de importação e ICMS) continuariam sendo pagos, mas em menor escala: “apenas”72,17%.

Com o mercado de games brasileiro crescendo a olhos vistos, as importações aumentaram, e o trabalho da Receita também, que redobrou o cuidado com as encomendas para evitar a sonegação: “as empresas [distribuidoras] precisam apresentar documentos, comprovar origem e valor da mercadoria e forma da negociação para que a mercadoria seja liberada se estiver tudo correto”, explica Cláudia Regina Thomáz, inspetora-chefe da inspetoria de Curitiba da Receita Federal.

Enquanto o governo e as distribuidoras não chegam a um acordo, os atrasos nas encomendas devem continuar acontecendo. E, é claro, nós continuaremos pagando preços abusivos por nossos “brinquedos“.

Acorda, Brasil! O mercado brasileiro de games já está grande, e tem tudo para crescer ainda mais e mover a economia! Só o que estamos pedindo é um mínimo de respeito, bom senso… e preço justo!

E aí, o que você acha de tudo isso? Deixe sua opinião nos comentários!

Epic Mickey 2 – Versão 3DS será uma sequência do game de 1990, Castle of Illusion

De acordo com a Nintendo Power, a versão 3DS de Epic Mickey 2  será sequência do título de 1990 para Mega Drive, Castle of Illusion

O título separado das versões console de Epic Mickey 2, sera chamado de Power of Illusion, e esta sendo desenvolvido para plataforma 3DS pela DreamRift, estúdio por trás de Monster Tale.

O stylus poderá ser usado para pintar elementos dos níveis e dar vida a esses elementos. Poderão pintar plataformas flutuantes, desfiladeiros e canhões. Quanto melhor for pintado, maiores serão as vantagens. Nos canhões, por exemplo, se pintar de qualquer jeito, não vão causar danos unicamente nos inimigos, Mickey também levará uma parte do dano.

O visual do jogo será fantástico e o efeito 3D ajuda a dar vida aos cenários das fases, que são baseados em várias aventuras da Disney como a Bela Adormecida.

Epic Mickey 2: Power of Illusion ainda não tem data de lançamento, mas é provavel que seja lançado junto com as versões para console.

Fonte: Vg247

Gameplay de 7 minutos de Mario Kart 7

Mario Kart 7 3DS

Mario Kart , o novo jogo de corrida da série do encanador bigodudo mais famoso do mundo dos games está de volta, agora com Mario Kart 7, para o 3DS. Dentre as novidades do game, a que é mais óbvia é o uso do efeito 3D, e também conta com novos veículos.

Segue abaixo, um video de 7 minutos de gameplay de Mario Kart 7

 

Fonte: GameVicio

Gamescom 2011: cooperação é palavra-chave em “Tin Tin: The Game”

Certas histórias imortalizadas em papel levam tempo até encontrar o caminho certo para um bom jogo. Esse é o caso de Tin Tin, personagem que conquistou multidões no passado e que agora promete conseguir mais fãs com o jogo “The Adventures of Tin Tin: The Game”.

Feito para acompanhar o filme “The Adventures of Tin Tin: Secret of the Unicorn”, que chega aos cinemas norte-americanos ainda em 2011, o jogo promete resgatar o velho estilo dos games de aventura do passado, com muita exploração na campanha para um jogador e cooperação quando o assunto é passar por várias áreas ao lado de um amigo.

A HISTÓRIA DE TIN TIN

Divulgação
Criado pelo artista Georges Rémi, conhecido como Hergé, Tin Tin nasceu como uma série de histórias em quadrinhos traduzida para diversos idiomas. Posteriormente, ganhou uma versão animada intitulada “The Adventures of Tin Tin”, exibida no Brasil pela TV Cultura como “As Aventuras de Tin Tin”.

Apresentados por Drew Quakenbush, produtor sênior do game, os estágios da modalidade cooperativa de “The Adventures of Tin Tin: The Game” mostram que o trabalho em equipe é essencial para a sobrevivência, pois cada personagem possui poderes específicos e essenciais para cumprir o objetivo: Tin Tin, por exemplo, pode usar um gancho para puxar determinados objetos, enquanto Capitão Haddock pode quebrar objetos com socos.

As fases da modalidade cooperativa não possuem muita diversificação à primeira vista (basta seguir até um ponto específico do cenário), o que muda de figura quando se fala do modo solo, em que há estágios nos quais Tin Tin pilota um avião e deve atirar contra outras aeronaves que estão sobrevoando os céus – e momento no qual os jogadores verão, por exemplo, como o Kinect funciona com o game. Consegue imaginar antecipar algo em sua mente?

VEJA O TRAILER OFICIAL DO GAME

Fonte: Uol Jogos